A região norte é a mais extensa do território brasileiro. Abriga uma área por volta de 3,5 milhões de quilômetros quadrados. O seu número de habitantes é, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 15.865.678 pessoas. O norte brasileiro abriga os estados do Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins.

A vegetação que predomina a região norte é a da Floresta Amazônica, que toma conta da maior parte do território. O cerrado e o mangue fazem parte da vegetação. O clima da região é o equatorial. O clima mais úmido do país se concentra na região nortina e é bastante comum a presença de fortes chuvas.

Existem três tipos de relevos recorrentes na região norte brasileira: as planícies e terras baixas amazônicas ou planície amazônica. Elas são compostas por áreas baixas (várzeas), que são inundadas causadas pelas cheias do rio Amazonas. Ainda nas planícies, ocorre os tesos ou terraços fluviais, também com locais de baixa altitude e sujeitos às inundações. Já a terra firme das planícies amazônicas atingem mais de 300 metros de altitude. O Planalto das Guianas, ao norte da planície, é onde são encontrados os pontos mais altos do Brasil como o Pico da Neblina, chegando quase a 3000 metros de altitude.

O Planalto Central, localizado ao sul do Amazonas, é composto por terrenos cristalinos, tendo sua maior elevação ao sul e no estado do Tocantins.

Na região Norte, encontra-se a maior bacia hidrográfica do planeta, a bacia Amazônica. Ela é formada pelo rio Amazonas, o rio mais caudaloso do mundo. Ele corta toda a região norte do país e possui inúmeros afluentes. Inclusive muitos dos seus afluentes geram energia com as Usinas Hidrelétricas.

As indústrias de extrativismo vegetal, mineral, de gás natural e petróleo geram receita para a região. A agricultura, bem como a pecuária e o turismo da região norte, impulsionam a economia. Na agricultura, são cultivados: o guaraná, mandioca, cacau, cupuaçu, arroz, maracujá e coco. Em algumas partes também são plantadas a pimenta do reino.

Nas diversas formas do extrativismo, são tiradas da região amazônica toneladas de madeiras. A produção da borracha é outra atividade, assim como a caça e a pesca. É comum, também, a exploração do ouro, diamante, alumínio, estanho, ferro, manganês, bauxita, entre outros.

O folclore está muito presente nas diversas festividades, como o famoso Festival Folclórico de Parintins, que acontece na região de Belém, no Pará. Na mesma região, ocorre a festa do Círio de Nazaré, o Çairé, a Marujada, o Carimbó, entre outras. A culinária sofre forte influência dos povos indígenas. São comuns no cardápio o pirarucu de casaca, açaí, pato no tucupi, tacaca, maniçoba e etc.