Aspectos Geográficos de Santa Catarina

Santa Catarina tem área estimada em cerca de 95.346 km². De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o estado possui aproximadamente 6,2 milhões de habitantes. A capital de Santa Catarina é Florianópolis, sendo a segunda cidade mais populosa, seguida de Joinville, com mais de meio milhão de pessoas.

O relevo é composto por baixada litorânea, com regiões abaixo de 200m de altitude, a serra do Mar e os planaltos: paleozóico e basáltico. O subtropical úmido toma conta da região catarinense. Já sua vegetação é composta pelas matas dos pinhais ou mata das araucárias e os campos.

Duas bacias importantes passam pelo estado de Santa Catarina, a Bacia do rio Paraná, cujo rio principal é o Iguaçu e a Bacia do rio Uruguai, que tem os rios Pelotas, o Canoas, o rio Chapecó, o rio do Peixe, dentre outros. As duas bacias formam a Bacia do Prata.

Os vários tipos de extrativismo são atividades econômicas da região catarinense. A produção do milho, da soja, do fumo, da mandioca, do feijão, do arroz, da banana, da batata – inglesa são práticas comuns da região. O estado também trabalha com o desenvolvimento de culturas como: a do alho, a da cebola, a do tomate, a do trigo, a da maçã, a da uva, da aveia e cevada.

A pecuária ligada com a indústria é outra das práticas econômicas da região. A Perdigão e a Sadia são grandes indústrias de carne suína. O ramo da avicultura é um sistema que está se desenvolvendo fortemente na região catarinense. Ela já possui um dos maiores índices de exportação de frango. Assim como a criação de suínos, bovinos e ovinos, o pescado obtém grandes números no Brasil.

Aspectos Históricos de Santa Catarina

No início do século XVI, com as expedições europeias, o território de Santa Catarina recebeu a visita de diferentes nações. Os portugueses Nuno Manuel e Cristóvão de Haro, chegaram lá em 1514, onde batizaram a atual ilha de Santa Catarina de ilha dos Patos. Em terras catarinenses, habitavam os indígenas da etnia Carijós, que, por sua vez, receberam os lusitanos bem.

As expedições espanholas entraram nas terras catarinenses. Álvar Nuñes Cabeza de Vaca, passou por Santa Catarina a fim de chegar ao Paraguai, pela serra do Mar. No ano de 1549, os jesuítas foram catequizar os índios e tentar impedir que eles fosse escravizados. Os missionários, com pouco sucesso, saíram do Sul.

Por volta de 1675, o paulista Francisco Dias Velho nomeou a ilha de Santa Catarina, em homenagem a Santa Catarina de Alexandria. Ele construiu na rebatizada ilha uma ermida para a santa. Após o feito, Francisco ergueu uma igreja para enaltecer Nossa Senhora do Desterro.

Foram criados alguns municípios na parte litorânea, entre eles Laguna. Esse povoado era pouco habitado; porém, vivia de agricultura e pesca. Exportava peixe seco para as cidades de Santos de Rio de Janeiro, sendo de grande importância para a costa catarinense. A capitania de São Paulo iniciou a exploração do interior.

A partir de 1829, os imigrantes alemães vieram colonizar Santa Catarina. Anos depois, quando houve a abdicação do trono da parte de D. Pedro I, o presidente da capitania de Santa Catarina, Miguel de Sousa Melo e Alvim foi obrigado a renunciar o cargo. Deu-se então, o lançamento do primeiro jornal, “O Catharinense”.

Na região Sul, aconteceu a Revolução da Farroupilha. Esse movimento ocorreu no ano de 1839 e foi organizado por Giuseppe Garibaldi e Davi Canabarro. O resultado da Farroupilha foi a proclamação da República Juliana ou República Catarinense. Na época do reinado de D. Pedro de Alcântara, Santa Catarina foi governada por João José Coutinho. Então, em 1849, fundou-se Joinville e depois Blumenau.

Após vários conflitos políticos, Santa Catarina recebeu manifestações populares. Uma delas foi a revolta da armada. Tempos adiante, elegeram um novo governador para a capitania, o coronel Antônio Moreira César, que atuou com mão de ferro. Mandou fuzilar o líder revolucionário Frederico Guilherme de Lorena.

A capital passou a se chamar Florianópolis. As revoluções continuaram trazendo as constantes violências do estado. A política da região se dividiu entre as famílias tradicionais e os imigrantes. Um marco na história de Santa Catarina foi a famosa Guerra do Contestado.

Aspectos Culturais de Santa Catarina

Santa Catarina possui vários museus históricos. Em Florianópolis é possível encontrar o Museu Histórico com os artigos usados por militares. Os monumentos presentes no estado, sua maioria, foram construídos pelos imigrantes. Eles edificaram vários fortes, que já foram recuperados pelas entidades históricas e artísticas nacionais.

Os catarinenses têm em sua cultura diversas festividades. As de cunho religioso se destacam. As festividades religiosas são: a Procissão do Senhor Jesus dos Passos, a Festa de São Sebastião, a Festa do Divino Espírito Santo e a Procissão de Santa Catarina.

São comuns as festas de outras culturas, principalmente da cultura alemã. A Oktorberfest, que acontece na cidade de Blumenau, em Santa Catarina, no mês de outubro. A Oktoberfest de Blumenau é a maior depois da ocorrida na Alemanha. Esse evento é o mais famoso, mas existe uma infinidade de outros eventos sob influência dos imigrantes.

Além das festividades, no turismo encontramos os Hotéis-Fazenda de Santa Catarina, cercados por paisagens maravilhosas com um verde exuberante!

Personalidades de Santa Catarina

  • Gustavo Kuerten ou Guga é um ex-tenista. Nasceu em Florianópolis.
  • Paulo Roberto Falcão, o Rei de Roma, é um ex-futebolista e atualmente comentarista de futebol na Rede Globo de Televisão. Nasceu em Abelardo Luz.
  • Nereu de Oliveira Ramos foi o 20º Presidente da República. Nasceu em Lages.
  • Vera Lúcia Fischer, conhecida como Vera Fischer, é atriz. Nasceu em Blumenau.
  • Ana Beatriz Moser, Ana Moser, é uma ex-jogadora de voleibol, uma das melhores atacantes da história do vôlei no Brasil.
  • Fernando de Quiróz Scherer, conhecido como Fernando Scherer ou Xuxa, é atleta e blogueiro. Nasceu em Florianópolis.